4 cuidados para se ter com um cãozinho cego

A cegueira costuma afetar mais cachorros idosos, sendo o sinal mais perceptível que o seu pet está envelhecendo. No entanto, há diversas causas para a perda de visão, e algumas delas podem ser até mesmo reversíveis: glaucoma, catarata, lesões de córnea e até mesmo carrapatos podem desencadear essa condição e muitas vezes podem ser tratadas.

Procure seu veterinário!

Se a causa da cegueira for irreversível, felizmente essa espécie consegue se adaptar muito bem à nova realidade, mas há uma série de cuidados que você precisa ter. Confira agora 4 cuidados que você precisa ter com um cãozinho cego:

1. Cuidados na Rua:
Sempre que estiver na rua ou ambientes incomuns, é importante utilizar a coleira curta e ser mantido próximo do dono, principalmente com estímulos sonoros, para fomentar o sentimento de segurança.

2. Mobília da Casa:
É importante que você não troque os móveis da casa de lugar, pois eles saberão orientar-se através da memória do ambiente.

3. Necessidades Fisiológicas
Também é importante manter um lugar fixo para todas as necessidades do seu pet, como por exemplo, a comida, xixi, cocô e etc.

4. Sons
Utilize sons para orientar seu cãozinho, ainda mais se for sua voz. Apitos e outros barulhos podem ser replicados, mas sua voz é inconfundível para ele.

Intoxicação por Chocolate

A páscoa é conhecida por ser a época do chocolate, uma comida muito saborosa. Integra diversas receitas, cada uma mais gostosa do que a outra, e é amplamente consumido quase no mundo todo. Todavia, é muito prejudicial para cães. Você sabe por quê?

O componente que afeta seu pet é a teobromina, que é tranquilamente metabolizado por nós, seres humanos. Mas, os eles não conseguem expelir com tanta velocidade e terminar por se intoxicar.

Deixar seu bichinho comer chocolate pode fazê-lo vomitar e ter diarreia. Maiores quantidades podem acarretar tremores, ataques cardíacos e até mesmo hemorragias internas.

O ideal é levá-lo imediatamente ao veterinário, onde ele poderá utilizar os melhores procedimentos para cuidar do seu cão. Soro na veia, lavagem intestinal e carvão ativado são exemplos de tratamentos que o profissional pode realizar.

Seu cachorro não gosta de abraços?

Você é uma pessoa que adora abraços, quer fazer isso com o seu cão e sente que ele não gosta? Saiba que o problema pode não ser apenas antipatia do animal, e sim algo mais sério.

Abraçar seu pet pode não ser a melhor maneira de demonstrar o carinho que você tem por ele. Ao sentir-se ameaçado, um cachorro tem duas maneiras instintivas de defender-se: fugir ou atacar. Quando o abraçamos, tiramos dele a primeira opção, o que pode causar desconforto.

Orelhas caídas e olhos bem abertos são sinais de que o cão não aprecia ser abraçado, e sim de que está ansioso ou estressado.

Dessa forma, nesses casos é recomendado que você não pressione o seu pet. Saiba que ele se sentirá muito mais amado se você manifestar seu afeto através de um afago, uma brincadeira ou um bom petisco!

Nossas redes sociais

A UNIVET é um hospital veterinário conhecido por seu cuidado e carinho não apenas com os animais, como também com seus donos. Por isso, em vez de eles só adquirem conhecimento nas consultas médicas, a UNIVET desenvolveu mecanismos de interação e de compartilhamento de informações com pessoas que, como nós, gostam de saber tudo sobre os animais.

Além de publicar textos com dicas, recomendações e novidades aqui no blog, a UNIVET também possui redes sociais, o Instagram e Facebook. Diariamente são publicadas peças publicitárias com muitas informações interessantes, como dicas de saúde e bem-estar para os pets, e ainda novidades do nosso hospital.

Nas publicações, fica também mais fácil de disseminar as informações. Nos comentários, por exemplo, você pode marcar os amigos!

Gostou? Então acompanhe-nos nas redes sociais:
Instagram: @univetveterinaria
Facebook: Univet Hospital Veterinário

Prática de exercícios para cães

A prática de exercícios físicos é muito importante, sobretudo para cachorros adultos, uma vez que estão mais propensos ao estresse, à ansiedade e obesidade. As atividades são variadas e dependem da raça do animal, sempre respeitando os limites de cada pet.

A prática de exercícios é ainda uma boa forma de incentivar os donos a abandonar o sedentarismo. Por isso, tenha energia e acompanhe seu cão nessa jornada!

Conheça algumas atividades:

• Canicross: consiste em correr junto ao cão. Durante o exercício, é importante estar atento às reações do animal. Nada de forçar demais! Sempre leve água e faça momentos de descanso, tanto para o cachorro, como para você.
• Nadar: é recomendado para todas as raças, principalmente para as que sofrem de problemas musculares, lesões, etc. Se o seu pet gosta de piscina, é uma ótima alternativa!
• Bicicleta: ter o seu pet te acompanhando ao pedalar pode ser muito divertido, mas exige certos cuidados. Seu cachorro precisa ser obediente e acompanhar o objeto!
• Caminhadas: para quem gosta de algo mais leve, uma boa caminhada ajuda. Dar uma voltinha na rua, na praça ou no próprio condomínio é uma ótima forma de exercitar o cão.
• Jogos: muitas pessoas optam por brincadeiras, como lançamento de objetos para os cães irem buscar. Essa prática, quando parte do cotidiano, representa ainda um momento de lazer para o cão. Eles brincam e se exercitam ao mesmo tempo!

É importante que o veterinário seja consultado antes de o dono escolher uma prática de exercícios. Examinar o cão e conhecer suas limitações é essencial para manter a segurança. Exercite seu pet com responsabilidade e diversão!

Dor de cabeça em cães

Como os animais não sabem informar onde estão sentindo dor, por exemplo, é muito importante que os donos estejam atentos a possíveis mudanças de comportamento que denunciem algum incômodo. Conhecer os hábitos dos cachorros é essencial para identificar dores, como a dor de cabeça.

Sintomas de que o cão está com dor de cabeça:
• Coçar os olhos com as patas
• Olhos inchados
• Tampar os ouvidos com as patas
• Esfregar-se nos móveis; chacoalhar a cabeça.
• Indisposição
• Choro

O que causa a dor de cabeça nos cães?
• Inflamações no sistema nervoso
• Problemas nos olhos (doenças oftálmicas)
• Hipertensão secundária
• Problemas com sinusite; congestionamento.
• Cheiros muitos fortes e/ou desagradáveis, como o aroma de produtos químicos e de limpeza.
• Traumatismo no pescoço; queda brusca.
• Problemas dentários
• Distúrbios Hormonais
• Atividade física em excesso

Ao identificar um comportamento estranho, o cachorro deve ser conduzido ao veterinário imediatamente. Observe sempre o seu pet! Fique atento e não deixe nada passar!

Cuidados no Natal

A época natalina é sempre de muita paz e alegria entre a família e amigos, mas ela também requer alguns cuidados especiais com os nossos animais. Para um cachorro, por exemplo, alguns objetos podem ser perigosos!

É importante ressaltar ainda que as comemorações de Natal representam novidade para os pets, como o barulho de uma casa cheia, então, é importante redobrar o cuidado. Confira algumas dicas:

Mantenha a rotina: mesmo em véspera de Natal, com muitos afazeres, é importante manter a rotina do cachorro. Isso é evita que ele “estranhe” ainda mais e fique estressado, por exemplo.
O poder dos exercícios: muitos cachorros ficam excessivamente animados quando recebem muita gente em casa. Por isso, é importante que horas ele tenha alguns minutos de passeio e exercício. Isso ajudará a acalmá-lo e ter uma noite mais tranquila.
Alimentação: é claro que na noite de Natal, com tantas delícias na mesa, seu pet usará seus olhinhos pidões para experimentar. Então, é importante que ele seja alimentado antes do jantar!
Atenção às crianças: é imprescindível que as crianças sejam instruídas a não magoar nem aborrecer os animais. As brincadeiras devem ser saudáveis e sempre observadas por um adulto.
“Não” aos fogos de artifício: no Natal e no Ano Novo, é importante manter o seu cão o mais longe possível disso. Os cachorros têm uma audição muito sensível e se assustam fácil com esse tipo de barulho.

Siga essas dicas e tenha um Natal tranquilo e feliz!

Alimentos prejudiciais a cães/gatos

Quem tem algum animal de estimação sabe o quanto é difícil resistir aos olhinhos pidões na hora da refeição. Mas, tendo em vista alguns alimentos e substâncias nocivas aos pets, é importante evitar que eles tenham muita liberdade na cozinha.

Além de infelizmente ser necessário negar alguns alimentos que eles nos pedem, é essencial tomar outros cuidados, como manter a porta da despensa fechada e, é claro, ter sempre consigo o número de emergência do veterinário.
Confira uma lista com alguns alimentos nocivos aos pets:

Alho e cebola
Qualquer comida temperada deve ser evitada! Certos componentes da cebola, por exemplo, podem causar danos oxidativos aos glóbulos vermelhões, causando anemia e prejudicando os rins. Sinais de que seu pet ingeriu: fraqueza, dor de estômago e sangue na urina.
Chocolate
A cafeína e a teobromina podem ser letais! Apesar de o chocolate ser um dos alimentos favoritos das pessoas, deve estar sempre distante dos animais. Sintomas: vômito, aumento da frequência respiratória, irritação e dores abdominais.
Abacate
Este alimento é composto por partes tóxicas aos animais. Além disso, o caroço pode sufocá-lo e, se ingerido, causar um bloqueio intestinal. O alto teor de gordura do abacate pode ainda causar dores de estômago, vômitos e pancreatite.
Xilitol
O Xilitol é um componente da maioria dos produtos diet e light. Sintomas: fraqueza, letargia, perda de coordenação, colapso e convulsões. Consequências: hipoglicemia drástica e falência do fígado.
Uvas
Podem causar insuficiências renal e hepática em cães e gatos, além de vômitos, diarreia e até mesmo a morte. Sintomas: vômitos e diarreia horas depois da ingestão.
Frango
Aves, em geral, é um problema, não apenas pelo tempero presente na carne, como também pelos ossos que podem ser ingeridos. Consequências: obstruções no estômago e no intestino.
Outros alimentos/substâncias prejudiciais aos pets: comida vencida, milho na espiga, laticínios, salmão cru, fígado, macadâmia, caroços de frutas, café, sal, plantas, etc.

Dermatite de contato em gatos: saiba mais

Quando se tem um gato de estimação em casa os donos precisam manter alguns cuidados, isso porque existem doenças como a dermatite de contato, que pode ser causada por contato com materiais que possuímos em casa, causando alergia e irritação a pele do gato.

Causas:

A dermatite de contato é uma reação alérgica e irritante que ocorre na pele do animal e pode ser causada por: objetos de plástico, borracha, lã, produtos químicos e aplicação de antibióticos.

Sintomas:

Pele irritada;
Inflamação na pele;
Vermelhidão;
Coceira;
Surgimento de bolhas;
Queda de pelos.

Tratamento:

Deve ser realizado o teste de contato (Patch test) e o teste de exclusão por um veterinário, para saber qual objeto causou a reação. Após realizar o exame e ser diagnosticada a alergia o melhor tratamento é manter o gato longe dos objetos que causam a alergia e das áreas onde se utilizam produtos químicos.

Um verão mais divertido

5 motivos que explicam porque seu cãozinho precisa passear regularmente:

1 – Ajuda a manter seu pet saudável
Exercitar seu cãozinho é um dos principais pontos para mantê-lo saudável tanto fisicamente quanto psicologicamente. Os passeios previnem a obesidade, problemas locomotores, e auxiliam no funcionamento do sistema digestivo e sistema imune. Quando os cãezinhos estão em forma e passeam regularmente se sentem mais felizes, são mais calmos, e tendem a ter menos problemas de comportamento relacionados ao tédio.

2 – Ajuda no controle de peso

A obesidade infelizmente é uma doença bastante comum entre os cachorrinhos. Em conjunto com uma dieta balanceada, os passeios regulares são importantes para a redução de peso e aumento do bem-estar de seu animal.

3 – Ajuda no comportamento

Se seu cãozinho é muito agitado, ansioso ou até têm comportamentos muito impulsivos, isso é sinal de que ele precisa gastar mais energia para relaxar. O tédio e a ansiedade são fatores importantes para um comportamentos indesejados de seu cãozinho, e os passeios regulares fazem com que ele gaste energia e fique mais calmo, além de previnir doenças como depressão.

4 – Ajuda na Socialização

Passear com seu cachorrinho e deixá-lo ter contato com outros outros ambientes, sons e cheiros faz com que ele se sinta cada vez mais confiante e menos medroso em momentos de socialização. Promover esse tipo de ação ajuda também a reverter diversos comportamentos de hiperatividade.

5 – Ajuda no sistema digestivo

Pode não parecer, mas os cachorrinhos também podem ter diversos problemas digestivos e urinários. Alguns cachorrinhos não estão acostumados a fazer xixi e cocô fora de casa ou até ficam horas esperando você chegar para conseguir fazer. Os passeios ajudam a fazer com que ele crie confiança e se sinta confortável para poder fazer suas necessidades regularmente.

Entre em Contato Conosco